No dia 09 de maio, a Sala Estadual RJ de Coordenação e Controle do combate ao mosquito Aedes aegypti e enfrentamento à microcefalia recebeu a visita da Sala Nacional, localizada em Brasília. A comitiva foi composta por membros do Ministério da Saúde e do Ministério da Integração Nacional, por meio da Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil.

 

Na ocasião, o Departamento Geral de Defesa Civil (DGDEC) da SEDEC-RJ, que coordena a SECC-RJ, recebeu a delegação nacional no Centro Integrado de Comando e Controle do governo do estado (CICC), onde está estabelecida, desde o início de dezembro de 2015, a Sala Estadual e que possui representantes da Secretaria de Estado de Saúde, Ministério da Saúde, Forças Armadas, Fiocruz, Funasa, Banco do Brasil, Conselho dos Secretários Municipais de Saúde, além do DGDEC.

 

Em seguida, a comitiva conheceu o Centro Estadual de Administração de Desastres (CESTAD/DGDEC) onde assistiu à apresentações sobre o Mapa de Ameaças Naturais do Estado do RJ, as ações desenvolvidas pela SECC-RJ na Semana da Família na Escola, no Dia Mundial da Saúde e, ainda, sobre a operação "Xô, Zika!". Na parte da tarde, a Sala Nacional visitou o Maracanã e verificou o trabalho de combate ao mosquito realizado no estádio e no seu entorno por agentes de endemia da prefeitura do Rio.

 

- Essa é uma atividade pura e aplicada de Defesa Civil onde articulamos as agências para mobilizar seus recursos com objetivo de evitar, quando possível, e mitigar, quando inevitável, o risco e as consequências do desastre. Neste caso, dos desastres: dengue, chikungunya, zika e sua consequência mais cruel, a microcefalia - afirmou o coronel Paulo Renato Vaz, diretor geral do DGDEC e coordenador da SECC-RJ.

 

Para o superintendente operacional, coronel Marcelo Hess, a SEDEC-RJ vem cumprindo com a missão atribuída pela Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil:

 

 

- Em dezembro, fomos convocados a Brasília onde recebemos a incumbência de criar a Sala Estadual para fomentar e acompanhar, juntamente com a Secretaria de Estado de Saúde, as ações de combate ao mosquito vetor nos municípios. Prontamente, estabelecemos a SECC-RJ e atribuímos a coordenação geral da Sala ao DGDEC. Desta forma, os resultados são nítidos e expressivos. Porém, temos a consciência e a responsabilidade de que o trabalho não pode parar - disse Hess.