De 22 de fevereiro a 14 de maio, cerca de 2.500 bombeiros participaram da operação Xô, Zika, força-tarefa do governo estadual que visitou domicílios orientando a população e removendo focos do mosquito Aedes aegypti, sob a coordenação do Departamento Geral de Defesa Civil (DGDEC).

 

Capacitados por técnicos da Secretaria de Estado de Saúde e acompanhados por agentes de endemia das cinco prefeituras envolvidas, os militares percorreram 158.993 imóveis nos municípios de Belford Roxo (52.819), Duque de Caxias (25.563), São Gonçalo (27.730), Itaboraí (21.438) e Itaguaí (31.443).

 

- A operação terminou, mas não os trabalhos. Nossa Sala Estadual RJ de Coordenação e Controle (SECC-RJ) do combate ao mosquito e enfrentamento à microcefalia segue apoiando e acompanhando as visitas domiciliares dos agentes de endemia das 92 prefeituras, e relatando os resultados à Sala Nacional em Brasília (SNCC). Porém, só nos livraremos da dengue, zika e chikungunya se cada cidadão se transformar num agente, num fiscal do seu bairro, da sua comunidade mas, principalmente, da sua casa - afirmou o coronel Paulo Renato Vaz, diretor geral do DGDEC, coordenador da força-tarefa e da SECC-RJ.

 

 Para o superintendente operacional da SEDEC-RJ, coronel Marcelo Hess, a amplitude do combate ao mosquito no estado é resultado de um trabalho feito por muitas mãos.

  

- Estamos desde dezembro com a nossa Sala Estadual, coordenada pelo DGDEC, estabelecida no CICC do Governo do Estado, tendo a Secretaria de Estado de Saúde como a nossa principal e primeira parceira. Logo em seguida, muitos outros órgãos incorporaram seus esforços e hoje estamos mais fortes e coesos para enfrentarmos, junto com a população fluminense, essas terríveis doenças potencializadoras de desastres - concluiu o coronel  Marcelo Hess.